Pra quem acha que cães só servem como companhia, engana-se! Muitos são usados para farejar drogas, atuando como cães policiais e beneficiando a sociedade com seu trabalho.

A utilização desses cães no Brasil ainda é bem pequena, hoje em dia somente a Polícia Federal faz uso do cães farejadores. Eles são treinados em um canil em Brasília e de lá são enviados para o restante do país, quando necessário. Já em outros países como EUA, a utilização dos mesmos é essencial e indispensável.

A raça dos cães farejadores podem variar, dependendo da região, geralmente são usadas raças com habilidade olfativa muito alta (Beagle, Labrador, Cocker Spaniel Inglês, Pastor Alemão, etc), e também aos cães que instintivamente hajam com desejo de buscar objetos. O treinamento desses animais dura em média 16 semanas, onde o animal é ensinado a identificar cada uma das substâncias entorpecentes através de exercícios diários e integrais.

Os cães são treinados para executar dos tipos de alerta que são chamados de ativo, quando o animal é treinado para arranhar ou morder o local onde se encontra a droga. Ou passivo, onde o animal realiza um movimento pré-determinado para somente indicar o local onde está escondida a droga. Geralmente os cães passivos são os utilizados para contato direto com pessoas e o ativo para locais abertos e/ou de difícil acesso.

É bom frisar que estes animais não tem nenhum contato direto com as drogas, nem são recompensados em seu treinamento com as mesmas, ou seja, o cachorro não é viciado.