Segundo pesquisas, um cachorro da raça Retriever do Labrador foi capaz de farejar câncer de intestino e, alguns outros cães de outras raças também já conseguiram identificar câncer de bexiga, ovários, pele e câncer de mama, todos ainda em sua fase inicial. A notícia deixou os pesquisadores animados, mas ao mesmo tempo atônitos, já que usar cachorros para ajudar na identificação de câncer é algo praticamente inviável.

Mas para fins educacionais e científicos, foram realizadas várias baterias de testes com o objetivo de tentar entender mais a fundo o olfato canino com o intuito de, futuramente, desenvolverem um sensor (nariz eletrônico) que seja capaz de identificar todos os tipos da doença bem no início de seu estágio, aumentando consideravelmente as chances de um tratamento mais eficaz.

Entretanto, este nariz eletrônico ainda exigirá muitas outras pesquisas pela frente até chegarem a um projeto que realmente funcione como o esperado.