Originado na região da Alemanha no início do século XIX, o Boxer foi desenvolvido a partir de outras raças. Entre elas, podemos citar: o extinto Bullenbeisser alemão, o Baerenbeisser, o Brabanter belga, o Dantziger polonês e o Bulldog britânico. A primeira apresentação dessa nova raça ao público aconteceu em 1895. Porém, não obteve o sucesso esperado. Mas, felizmente, algum tempo depois, após a Segunda Guerra Mundial, o Boxer conquistou sua popularidade em todo o mundo.

Características e padrão da raça

Seu porte é médio. Sua altura varia, podendo os machos terem de 57 a 63 centímetros, e fêmeas de 53 a 59 centímetros. O peso também varia, tendo machos em média 31 quilos, e fêmeas, 27 quilos. Os músculos do corpo são compactos e bem desenvolvidos. Possui uma forma quadrada, com pelo curto e espesso de diversas cores, que vão do vermelho escuro ao amarelo claro. O focinho é largo e poderoso, enquanto as orelhas são pequenas e de inserção alta. Normalmente são cães enérgicos e brincalhões. Amigáveis com crianças e pacientes com animais menores, os Boxers não são agressivos por natureza, desde que haja socialização. E para sua saúde e entretenimento, recomenda-se muitos exercícios físicos adequados.

Saúde e genética

Quanto à saúde, a raça apresenta algumas tendências ruins. Os Boxers são suscetíveis a tumores, à displasia na anca (deformação da articulação coxofemural) e à miocardiopatia (danificação do músculo cardíaco). Porém, a incidência das doenças é baixa. A obtenção de cães com certificado de saúde aumentam as chances de se ter um cão que poderá viver por um bom tempo.

Galeria de fotos